8 de dezembro de 2013 Tag: , , ,

Couchsurfing: Turismo de sofá!

Fica até engraçado falar sobre turismo de sofá em pleno domingo. Parece que vamos viajar só pela televisão, lendo um bom livro, curtindo uma preguiça deitados no sofá da nossa sala. Na verdade aqui tem dicas sobre economia com viagem. Quer viajar barato e não sabe onde hospedar? Então, quero comentar sobre o Couchsurfing, continue lendo.

Em 2003,  o  americano Casey Fenton,  foi  a  Islândia após  comprar  uma passagem bem barata e se deparou com a difícil tarefa de encontrar lugar para se hospedar sem gastar dinheiro. Sem ter pra onde ir, Fenton resolveu mandar mais de 1500 emails pedindo pra que alguma família o abrigasse oferecendo apenas  um sofá e,  para  sua  surpresa,  recebeu  50  respostas positivas. Após ter férias incríveis, passando por vários lugares e trocando muita  experiência, surgiu  a  ideia  de  fundar  uma  rede  em  que  pessoas pudessem se comunicar de maneira segura com a finalidade de conseguir ou  oferecer  hospedagens  no  mundo  inteiro.  Foi  aí  que  surgiu  o Couchsurfing  (surfe  de  sofá),  novidade  que  pode  parecer  estranha  a princípio, mas que vem fazendo a cabeça de muita gente.

Couchsurfing no mundo hospedagem diferenciada

Fonte da imagem: Cargo Colletive

 

COMO FUNCIONA O COUCHSURFING?

É como  uma  rede  social  especializada  nesse  tipo  de turismo com intuito de viajar barato. Nela há a troca de testemunhos e votos de confiança, atribuídos tanto às pessoas que se hospedaram quanto àqueles que receberam alguém em sua casa. O resultado é que os membros vão ganhando credibilidade, o que torna a viagem muito mais segura. O sistema  é  totalmente  gratuito  e  a  hospedagem  também,  mas quem preferir  pode  pagar  uma  taxa  bem  pequena  que  fará  com  que o Couchsurfing  se  responsabilize  por  descobrir  um  pouco  mais  sobre os anfitriões enviando, por exemplo, uma carta com código de segurança para confirmar que o endereço realmente existe.

Quase tudo pode ser especificado no formulário de registro: quem oferece pode dizer as condições da moradia, se o turista dormirá no sofá da sala ou se terá um quarto só para ele, se mora em casa ou apartamento, quantas pessoas residem na casa,  sua profissão, se tem animais,  se possui horas livres para passeios para mostrar a cidade e o que há pra se fazer em locais próximos. Quem está  buscando  um lugar  procura  na  base  de  dados  os locais que mais lhe agradam no país que quiser visitar. Não há regras para esse tipo de viagem mas é claro que algumas coisas são fundamentais  na  intenção  de  estabelecer uma  convivência  agradável.  A ideia principal é a troca de experiências, então é importante que o hóspede esteja disposto a conversar e criar laços com os moradores. Também é ideal que  ele  se  sinta  como  um  membro  da família,  e  isso  inclui  os  bons momentos, como passeios e jantares, mas também os deveres de limpeza e arrumação do ambiente, caso seja necessário.

couchsurfing no mundo

Fonte da imagem: Eurotravel blog

Couchsurfing no Brasil:

Com a chegada de grandes eventos esportivos ao Brasil nos próximos anos,a procura de hospedagens por estrangeiros vai ser muito grande. Depois dessa novidade, os hoteis e o aluguel de imóveis no RJ – Rio de Janeiro não são mais as únicas opções. Se você achou legal, pode se cadastrar no site <<“Couchsurfing” >> e receber em sua casa alguém que pode ampliar a sua visão de mundo. Ainda por cima, se tornar um amigo que venha a te oferecer hospedagem quando você quiser ir pro outro lado do mundo. Conhecer  gente  nova,  descobrir  novas  culturas, visitar  lugares  que  não constam nos  guias  e  que você jamais  conheceria  se participasse  de  um turismo  comum  e,  tudo  isso,  gastando  pouco  dinheiro.

Essa é a ideia principal dessa nova maneira de viajar que promete revolucionar o turismo e conectar pessoas em todo o planeta.

Abraços!

  1. Bom dia Cássia!!

    Esse assunto é bem interessante. Eu, pessoalmente, já usei o couchsurfing uma vez, e deu bem certo.

    Mas temos sempre que tomar cuidado, sempre olhar os comentários das outras pessoas que ficaram hospedadas, se a identidade da pessoa foi verificada, a nota média que deram pra ela…

    Mas se tudo está em ordem, vale muito a pena!

    Beijos

    • Oi Carol, que bacana! Depois você pode compartilhar sua experiência no Couchsurfing, que tal? Para que cidade viajou, como foi o processo de pesquisa no site? Troca de experiência sobre os pontos positivos e negativos sobre o sistema.
      abraços!

 

Deixe seu comentário