21 de maio de 2014 Tag: , ,

Volto já, vou ali ser feliz, vou fotografar!

Vou ali ser feliz, volto já! Vou ali porque preciso fotografar, vou ali registrar sentimentos e emoções. Quando penso nessa frase, eu penso em poesia; normalmente associo fotografias a versos ou contação de histórias. É como um álbum, narrado em imagens que valem mais do que mil palavras.

Pesquisando sobre projeto autoral, que é o mais bacana em termo de arte no campo da fotografia, encontrei a Super Mamika. Uma senhora cheia de estilo, com ares de heroína de histórias em quadrinhos.

volto já com mais Mamika

Volto já, vou me inspirar com fotografias da super Mamika.

Vou ali ser feliz significa (pra mim) que vou fotografar sentimento, algo que realmente emocione alguém. Sinto falta disso, sabe? De conseguir registrar coisas do coração, imagens que me toquem de alguma forma, sinto falta de fotografar ação e movimento inesperado.

Volto já, Mamika vai viajar

Vou viajar e ser feliz com Mamika, minha inspiração de quarta-feira.

Volto já, preciso fazer fotos incríveis que registrem um momento único Imagens com sorrisos, com flores, com dança, com expressão!

Sinto falta de me dedicar a projetos dento de um contexto, uma única linguagem com cenários divertidos nas fotografias, como esse da vovó heroína que usa tênis branco com meia calça escura sob saia de tule.

super-mamika-goldberger-sascha2

Mamika tem estilo próprio e original, usa cores e senso de humor!

Tem foto que registra amor, tolerância, que nos faz chorar! Tem algumas imagens que são chocantes, tem beleza no meio de tanta tristeza, tem arte no caos. Na contramão, tem fotografia divertida e diferente!

mamika mia volto já

Sinto que preciso registrar coisas do coração com um pouco de humor! Será que consigo?

Abraços!

13 de outubro de 2013 Tag: , , ,

Mais amor por favor!

com crianças mais amor por favor

Domingo é aquele dia bom para refletir sobre a vida, sobre as nossas atitudes, comportamento, amigos, e relacionamentos. Mais amor por favor? Porque hoje é um dia para cuidar, dar um abraço, ouvir uma boa música, e transmitir energia positiva.

Que tal preparar um bolo em forma de coração? Chocolate, cheio de amor por favor? Regado com calda de frutas, carinhos e sorrisos. Se vier acompanhado de crianças fica mais alegre e mais sincero!

bolo de coração e chocolate com mais amor por favor

Esse bolo acima está no Chocolate Cake Moments

Legal é viver as diferenças, contribuir com o próximo, sem preocupar com as marcas do tempo. É bonito de se ver, mãos que se juntam entre o futuro e o passado.

viva as diferenças com mais amor por favor?

Dia de parque, roda gigante, emoção e mais amor. É preciso um pouco de diversão, sorvete, doces, gostosuras.

Aproveitando que ontem foi dia das crianças, fotos do Xodó com mais amor.

mais sorvete e mais amor por favor

Porque amor nunca é demais!

Abraços!

29 de julho de 2013 Tag: , ,

Por onde anda a ternura e os sentimentos?

Sentimentos sempre nos deixam vulneráveis, verdade seja dita; não é a toa que muitas pessoas dizem naquele tom de quero-mas-não-quero que “deixar de sentir” seria o melhor acontecimento de suas vidas. Desprezamos tanto os tais que fazemos de tudo para esconde-los, logo num mundo tão cruel onde esses mesmos sentimentos são necessários.

Recordo de outro dia ter lido em algum lugar que a crueldade das pessoas tornava outras pessoas insensíveis, fazendo crer que tudo isso é um ciclo vicioso de uma sociedade vil. Convenhamos que tem sim um quê de verdade, afinal precisamos aprender a conviver com tantas notícias ruins, em meio à esse mundo emaranhado no caos, que com isso enrijecemos. Darwin explica, precisamos de pessoas “duras” para viver num mundo tão “duro”. Mas apelando para o clichê em minha justificativa que vai parecer de tudo menos neutra: Temos que ser durões sim, só que sem perder a ternura jamais – espero que Che perdoe a paráfrase.

sentimentos são o melhor abraço do mundo

SENTIMENTOS EM UM ABRAÇO

Primeiro o mundo nos tira a inocência. A infância tão amada, doce, oras amarga, fica para trás num só pulo, e precisamos aprender a conviver com pessoas nos julgando durante a maior parte do dia quando damos de cara com a pré adolescência. Em meio a esses julgamentos, muitos deles serão negativos, muitos deles serão pré conceitos (assim mesmo, separado), e muitos deles irão nos magoar no momento para mais tarde enrijecer.

Outro momento que nos marca nessa mocidade é o reconhecimento do coração. 

sentimentos em forma de coração

Eis que conhecemos alguém por quem nosso coração palpita, e perdemos o ar e sambamos no molhado só para conseguir uns segundos da atenção da pessoa… Para logo em seguida ter o coração partido com a chegada do primeiro amor. É nesse momento, entre o fim da infância e o inicio da fase adulta em que nossa figura de pedra é formada. Uma grande amiga minha costuma dizer que “se a base é forte, o resto também será forte”, e é verdade. Se dentro de si conseguir manter a mente sã, irá aguentar as malevolências do mundo. Mas quando a base “ainda não secou”, pode ser que um abalo de estruturas derrube tudo o que tem dentro. E é por isso que serei oposta à todas as manifestações “anti-sentimento”. Porque tais manifestações são as que mais contém sentimento, ora. São logo as de pessoas que estão passando por um desespero tão grande que fica impossível carregar qualquer coisa que não seja sua dor. Claro que em meio a essas pessoas existem apenas aqueles que conseguem sentir sem derramar-se pelo chão, e creio que essa seria uma solução muito melhor que “preciso parar de sentir”, o “preciso conseguir sentir sem derramar pelo chão” não é radical, fica meio termo, e a pessoa continua com as características que precisamos tanto como humanos: o sentir.

Seja aquele tédio enquanto abana o cursor do mouse de um lado ao outro, seja uma leviana empolgação enquanto brinca com jogos de salão de beleza ou o que for; seja algo mais profundo como a tristeza de uma perda, ou também a pele queimando pelo toque de alguém que amamos. Todos os sentimentos valem a pena, e todos os sentimentos, todos, devem ser sentidos. Raiva? Por que não? Sem a raiva não teríamos metade das músicas que existem hoje, além do mais, raiva é sempre seguida de certa paixão, e para a paixão eu digo sempre.

Quanto mais tentamos dar as costas aos sentimentos, mais entregues a eles estamos, deixo o exemplo do filme cômico “Abaixo o amor”. Vamos enrijecer sim, mas vamos tentar não perder a ternura, visto que é com essa ternura que faremos o mundo continuar caminhando para o bem. 

 Abraços!

28 de abril de 2013 Tag: , , ,

É preciso cuidar dos cabelos e do coração

Eu aproveito um sábado ou domingo para refletir sobre meu comportamento, as minhas atitudes, para me auto-analisar. Parar um pouco para conversar comigo mesma… Esse fim de semana achei um provérbio chinês tão bonito, que diz: “A gente todos os dias arruma os cabelos: por que não o coração? “

Eu parei pra pensar que as pessoas nos cobram demais, que a gente se impõe uma perfeição inatingível. A frustração é uma “constante” quando em algum momento temos que fazer escolhas, principalmente quando a maioria não entende os nossos objetivos e determinações. É como nadar contra a corrente!

Blog Abraço Mundo com Hugo Martins em Platinum Visage

Passamos mais tempo preocupados com a nossa imagem. E não que isso não tenha valor… Eu amo cabelo bem cuidado! Mas também é preciso cuidar da alma e do coração todos os dias. Valorizar os amigos, prestar mais atenção em si mesmo, cuidar dos nossos sonhos e emoções  todos os dias.

Percebo que estamos cada vez mais conectados com uma máquina, em menos sintonia com o espaço que nos cerca. É preciso uma readaptação de tempo e prioridades. É preciso buscar o equilíbrio e o bem estar!

pantufas coisas do coração

Realmente não é fácil cuidar do coração, ter que dizer NÃO quando só querem ouvir sim, deixar de se preocupar com o que os outros pensam, escolher um dia só pra descansar quando se tem mil projetos pendentes. É a busca constante da harmonização dos acontecimentos da vida.

Eu tenho um projeto coração e você?

Compartilhe uma dica para deixar a vida mais leve, a mente e o coração tranquilo!

Abraços!

5 de abril de 2013 Tag: , ,

Hoje eu quero falar sobre coisas do coração…

Coisas do coração não é problema só de mulher

Tem coisas do coração que a gente não consegue explicar, muitas vezes nem conseguimos falar sobre os assuntos, nem expressar nossos sentimentos. Às vezes é preferível entrar dentro de uma concha, ficar lá escondida, até a maré baixar e os bons ventos soprar. Desabafar com os amigos é sempre complicado, pelo menos pra mim.

Sempre vai ter alguém pra dizer: _Faça isso ou faça aquilo, isso é certo, isso é errado. _Se eu fosse você eu ligaria pra ele, ou NUNCA ligue pra um homem. E a frase do livro? _”O” segredo é não correr atrás das borboletas.” Eu confesso que no meio de tanta opinião vamos ficando mais atormentado, coração apertado, e uma ânsia para que as confusões da vida passem logo e o  coração volte a navegar em um “mar” calmo.

Poxa! Mas, logo hoje que é sexta-feira – aquele dia tão esperado por milhares de pessoas que ao sair do trabalho vão se divertir com os amigos – afinal amanhã é sábado e boa parte das pessoas não trabalham, podem dormir até mais tarde e ficar em casa curtindo uma preguiça de fim de semana Pra quê falar de coisas do coração? TALVEZ aquele amigo nem tá tão a fim de escutar o que tenho pra dizer. É preciso curtir a vida, ela pode ser mais curta que eu esteja pensando.

Coisas do coração

A sensação que tenho é que ninguém mais consegue ouvir ninguém, o tempo é muito curto para olhar para quem está ao lado e apenas ouvi-lo dizer que TODOS nós temos problemas. E a vida não é um mar de rosas pra ninguém, cada um tem a vida que é possível ter, cada um faz o que pode para ser feliz da sua maneira.

Não é tão fácil ouvir e falar sobre coisas do coração já que nós somos seres diferentes, tão iguais em alguns aspectos, mas, graças a Deus temos valores bem distintos em outros países e até aqui no Brasil. Será que poderíamos aprender um pouquinho olhando para o problema do outro? Não que os problemas alheios sejam maiores que os meus, que os seus, são apenas diferentes e talvez possam sim ensinar alguma coisa nessa vida.

E o coração continua apertado! Na correria do dia a dia poucas pessoas tem tempo para ser tolerante, para ser gentil, para pensar antes de falar, para ouvir, para desabafar. As relações vão ficando cada vez mais difíceis, ninguém consegue dizer o que sente realmente, poucas pessoas conseguem dar um abraço sem cobranças.

E as coisas do coração vão ficando pra depois, pra semana que vem, pro ano que vem. Quem sabe um dia a gente fale sobre isso?

Abraços!